Não quero me acostumar…

 
Tem, todo mundo tem um grande amor que não tem. Não que todo mundo sofra, mas todo mundo tem. Ter um amor não correspondido é uma daquelas poucas coisas da vida que não escolhe cor, raça, credo, orientação sexual, classe social. Escolher ser feliz, não só no amor, mas ser feliz, já é coisa mais rara, cara. O desejo de amar e ser amado todo mundo tem também, ninguém escolhe “ah, hoje vou me apaixonar por alguém que não queira me corresponder”. Dor de cotovelo a gente não quer nem de graça, quanto mais por escolha; acontece e só! Alguns têm a chance de encontrar alguém e amar, se apaixonar, sentir um frio na barriga, dar pulinhos de alegria quando o telefone toca e é a pessoa te ligando (sim, eu já pulei!), de ter um abraço com cheiro de “aqui vou ser feliz para sempre”, de sentir vontade de transar sem parar por uma semana sem que isso pareça promíscuo. 
 
Alguns têm isso tudo e muito mais, outros, sem poder amar, têm que se acostumar. Se acostumar é encontrar alguém com quem você está por estar, alguém que é “melhor do que nada”, é namorar para não se sentir só, é ficar com alguém por puro medo de recomeçar, é não gostar tanto assim do outro, mas da garantia de sexo e da agenda lotada aos finais de semana, é estar com alguém só para garantir um status em algum site de rede social ou para evitar o título de encalhado. Se acostumar, no amor, é tratar um namoro como aquele emprego que você não gosta, não se realiza, mas continua até aparecer coisa melhor ou por medo de só encontrar coisa pior. Mas amor e medo não combinam, se surgiu o medo talvez o amor já tenha desaparecido (ou nem tenha chegado). E nem venha com aquela história de que precisamos ter medo de perder o outro para darmos valor. Me escuta: não cola! A gente precisa da certeza de ser feliz na presença do outro e da esperança de continuar sendo, de coragem acima de tudo. Medo de te perder mantém um cachorro ao seu lado, não um amor. O que todo mundo tem que ter é coragem para ser capaz de arcar com o preço do que sonha. Aceitar ser encalhado? Talvez somente se recusar a navegar por certos mares… 
 
A verdade é que hoje, no amor, tem muita gente a fim de dar e pouca a fim de se doar, e a maioria nem sabe a diferença. Se você não quer se acostumar se você quer amar, de verdade amar, se sentir a pessoa mais feliz do mundo ao lado de alguém e contar com uma recíproca verdadeira, não se incomode por estar só. Estar só não significa incapacidade de amar, estar só e cansado de ser só um não quer dizer que você queira qualquer um. Você não pode deixar o medo da solidão ser o que te une a alguém, você tem que deixar a coragem de encarar que só aquela pessoa é a sua pessoa ser o que te une a alguém. E amor é sentimento, é delírio, é emoção, então não venha me acusar de ser sonhador. Quando se fala em amor, medíocridade é da porta para fora, meu bem! Então, eu não quero me acostumar, eu quero amar. Exigente? Sim! Tem que pelo menos ser gente e tá difícil de achar. Desesperado? Não! Esperançoso e disposto a tentar? Sempre! Estou bem comigo, com a minha escolha, feliz e são. Só por opção (ops… são!).  Só? Não, são! Não me acostumo, eu mudo o rumo e encontro um amor que ainda vai fazer a felicidade ter inveja do que eu vou viver! Tem um amor desses me esperando, tem, todo mundo tem.
 
Por: Ruleandson do Carmo
 
 
Lethicia. Beijos
Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: